Notícias
Notícias sobre as soluções financeira

Vai ser fiador? O que deve saber

Publicado em 30 dezembro 2018 à 10:00
Vai ser fiador? O que deve saber

Se vai ser fiador, é muito importante que esteja devidamente informado quanto ao seu papel. Conheça os seus direitos e deveres enquanto fiador. 

Ser fiador: em que consiste?

A primeira coisa que deve saber é, efetivamente, em que consiste ser-se fiador. Um fiador é a pessoa que assume a responsabilidade de uma determinada dívida quando o titular do crédito entra em incumprimento com as suas obrigações. Usualmente, as instituições de crédito (independentemente de ser um crédito pessoal, habitação ou automóvel; ou mesmo um crédito consolidado) pedem esta garantia, para assim reduzirem os riscos de incumprimento contratual. 

Ser fiador: quais as responsabilidades?

Quando o titular do crédito entra em incumprimento, o fiador terá a responsabilidade de assegurar o pagamento da dívida. Uma desvantagem associada a esta situação é que, perante uma situação de incumprimento por parte do titular dos créditos, também o nome do fiador será incluído no Banco de Portugal, numa lista negra que o marcará como um cliente incidental junto dos bancos, dificultando a aquisição de créditos em seu nome. 

Ser fiador: quais os direitos?

A primeira certeza que o fiador tem é a de que a entidade responsável pelo crédito apenas buscará o pagamento pelo fiador depois de ter esgotado todas as restantes possibilidades junto do titular. Em caso de incumprimento, o fiador tem também o direito de pedir ao devedor o montante investido para saldar a sua dívida. Ainda assim, por norma, este direito não é exercido com sucesso devido à falta de meios do devedor.

É possível deixar de ser fiador?

Sim! É possível deixar de ser fiador, depois de ter aceite sê-lo. Ainda assim, este trata-se de um processo de negociação que implicará todas as partes: o devedor, a instituição credora e o fiador. Caso não queira passar por este processo negocial, a outra forma de deixar de ser fiador implica aguardar pela extinção da dívida junto do credor. 

Assim, como pode ver, torna-se muito importante que a decisão de ser fiador seja tomada com cautela e analisando previamente todos os prós e contras que a aceitação deste papel possa eventualmente ter para si.